André Carlucci

Skeptic .net development

Não, nós não temos um Scrum Master

Outro dia, lendo minha “timeline” como de costume, este tweet do Victor Hugo me chamou atenção:

“Minha próxima palestra vai Ser “Voce ainda tem gerentes?” Alguem interessado? :D /cc @giovannibassi

O pensamento a seguir sobre como os métodos ágeis mudaram completamente nossa forma de trabalhar foi inevitável e dei um leve sorriso tentando me lembrar há quanto tempo trabalhava sem gerentes.

Foi aí que me dei conta de uma coisa: Quem era nosso scrum master???

O Marcel desempenhou por um bom tempo este papel, mas quando ele foi para um projeto paralelo no passado, ninguém o substituiu.

E assim estamos, rodando há vários sprints apenas com o próprio time cuidando de si mesmo. E pode, Arnaldo?

Antes, vamos lembrar: quais seriam as principais responsabilidades no Scrum Master?

  • Facilitar o dia-a-dia do Time, removendo impedimentos que atrapalhem o seu progresso.
  • Assegurar que a equipe esteja utilizando corretamente as práticas de Scrum, motivando-os e mantendo o foco na meta da Sprint.

A primeira é fácil: se temos um impedimento, falamos na reunião diária e quem puder ajudar vai ajudar.

A segunda ainda mais: o time já é bem velho de guerra em desenvolvimento ágil de software, não é mais tão importante ter alguém com a função de nos lembrar o que para nós já é natural.

Pode paracer estranho, mas o fato é que a Way2 é uma empresa ágil faz muito tempo, muito antes de SCRUM virar moda. Estamos passando neste momento pelo sprint número 100 e posso dizer que o time  já tem maturidade suficiente para trabalhar assim. Dá até um certo orgulho.

E, no final das contas, isso é SCRUM?

Respondo com outra pergunta: realmente importa se isso é SCRUM? O que importa no final das contas é o cliente feliz e software funcionando (exatamente nessa ordem) e nosso processo de adaptação nos levou a esse ponto.

E isso funcionaria para você? Não sei, tudo que posso afirmar é que para nosso contexto (empresa, pessoas que lá trabalham, projetos) funciona muito bem, obrigado.

Lembre-se que a característica mais importante de qualquer método ágil é sua capacidade de adaptação. A cada sprint, você tem a oportunidade de mexer um pouco nas regras, sempre com o objetivo de fazer algo melhor do que antes. Faça uma pequena mudança e meça seus resultados. Deu certo? Continue. Não deu, retire do próximo sprint. Essa adaptação é que vai fazer o processo de desenvolvimento evoluir e se tornar cada vez melhor. 

Se isso significa abandonar uma regra básica desta ou daquela metodologia, que assim seja.

 

  • Anonymous

    Excelente… Parabéns.

  • Cada dia que passa tenho visto que o Scrum Master é uma das maiores disfunções do Scrum. Quase o classifico como desperdício…

    • Anonymous

      Fala Rodrigo,

      Não o vejo assim como um desperdício, desculpe se me expressei mal. Na real, em empresas começando o longo caminho para entender realmente como é ser ágil, o Scrum Master é um cara muito importante para manter a ordem na casa.

      O problema é que não basta somente aplicarmos as regras, temos que cultivar o ambiente para que a cultura ágil possa florescer. E isso leva tempo.

      O que aconteceu conosco (e provavelmente contigo também), é que depois de muito tempo, a maneira ágil de desenvolver projetos tornou-se natural. Tão natural que nem lembramos mais como poderia ser de outro jeito.

      Sendo realista, não é verdade que não temos um Scrum Master. O que aconteceu foi que cada um de nós se tornou um, fazendo com que o papel centralizado desta figura se tornasse irrelevante.

      Grande abraço,

      André