André Carlucci

Skeptic .net development

Feedback 360 com o time de desenvolvimento

Atualmente aqui na Way2 fazemos um processo de feedback profissional 4 vezes por ano. De forma intercalada, com 3 meses entre cada, temos primeiro o feedback coletivo e depois o individual.

Semana passa fizemos o feedback coletivo em nosso time de desenvolvimento. Este tipo de review é primordial para que cada pessoa possa se aprimorar cada vez mais e também é uma chance para que eventuais pequenos problemas possam ser colocados na mesa antes que virarem grandes problemas.

faz um feedback do café aí?

É tudo bem simples e estamos melhorando a cada vez. Atualmente usamos o seguinte modelo:

  1. Todos os membros do time preenchem uma planilha de forma anônima apontando 2 aspectos sobre cada participante (incluindo ele mesmo): um positivo (algo que faz bem) e um negativo (algo que não faz ou deve fazer mais).
  2. Depois, em uma reunião conjunta, vamos passando de membro a membro do time realizando o seguinte processo:
    1. A pessoa diz o que se propôs a melhorar desde o último feedback (uma coisa só) e faz uma auto análise se conseguiu ou não.
    2. Após isso, eu leio um a um cada feedback que esta pessoa recebeu em voz alta: positivos e depois negativos. Uma regra importante neste momento deve ser seguida: quem está recebendo o feedback não pode argumentar ou justificar nada por 24h. Lembre-se: se alguém apontou algo sobre você, significa que pelo menos para uma pessoa você causa aquela impressão.
  3. Após isso finalizamos com uma retrospectiva do time em geral, usando nossos índices de sucesso de sprints, porcentagem de bugs,  etc.. como base.

Como tarefa de casa para mim, fica compilar todas as informações e enviar para cada pessoa. Estas informações serão usadas depois na avaliação individual, em uma conversa mais aberta com cada um.

Como exemplos de feedbacks positivos, temos:

“Perfil colaborativo, ótimo conhecimento técnico, autodidata, atualizado, interessado por indicadores e melhoria do processo.”

“Adoção rápida, pró-ativo, motivado”

“É curioso e não tem medo de pegar issues complexas, continue assim, nos motiva!”

Como exemplos de feedbacks negativos, temos:

“Prestar um pouquinho mais de atenção no escopo da issue.”

“Ser mais pró ativo. Fica esperando que os problemas se resolvam sozinhos no lugar de resolvê-los.”

“Se comprometer mais com sprint, chegar no horário da reunião diária.”

Vale lembrar umas coisas a respeito disso tudo:

  • Esse tipo de feedback funciona somente para equipes pequenas, mais que 7 ou 8 pessoas fica inviável. Se você trabalha com SCRUM isso com certeza não será um problema.
  • Somos muito transparentes na Way2, então a leitura em conjunto não causa nenhum constrangimento, muito pelo contrário.
  • Como todo mundo aqui tem liberdade total de pensamento, eu participo normalmente do feedback e sou criticado/elogiado da mesma forma que qualquer outro funcionário.

Se você ainda não faz esse processo em sua empresa, recomendo bastante. É muito enriquecedor saber o que o resto do time pensa de você de forma livre e imparcial e saber claramente como melhorar.

Se você já faz, como é? Alguma ideia que poderia compartilhar para nos ajudar a melhorar ainda mais?

  • Eduardo Menna

    O cara que levou esse café e chocolate é bom hein!

  • Willian

    Olá! Eu vi uma empresa que fez esse tipo de avaliação e não foi bem sucedida, embora tivesse direcionamento de profissionais de psicologia por trás. Acredito que a equipe não estava preparada para este tipo de coisa e aproveitou para fazer críticas duras a determinados colegas, aproveitando-se do anonimato. As críticas e elogios não eram lidos publicamente, apenas era entregue a cada um o seu resultado com as colocações feitas pelos colegas de time. Teve gente que acabou ofendendo ou ofendido, perdendo o respeito. Por fim, a empresa abandonou a avaliação. Por conta disso acabei levando uma má impressão das avaliações 360, mas espero criar um novo ponto de vista a partir da experiência que estou vendo aqui no seu blog. Espero que a equipe capte o verdadeiro sentido da avaliação e use bem esta ferramenta para evoluir e para se compreender melhor. Na minha opinião é bom ter em mente que talvez alguém seja muito bom, mas pode ser que outras pessoas não serão iguais a ele, e ainda assim sejam igualmente boas de outro jeito. Também é necessário entender as limitações do outro e não esperar perfeição, mas sim esperar que tenham força de vontade. Algumas coisas podem mudar, outras podem ser negociadas. Lidar com diferenças é um desafio, mas sempre gera bons resultados. Com certeza tratar de maneira franca é uma boa forma de fazer isso. Acho que um time precisa ser unido, não uniforme. Abraços a todos, espero que atinjam seus objetivos.

    • admin

      Olá Willian,
      Pode ser complicado mesmo e exige muita maturidade da equipe.
      O ponto positivo em minha opinião é que no seu caso a review mostrou que seu problema era outro: a integração entre os membros do time.
      A review foi um ótimo instrumento para mostrar que o clima não estava legal e que algo deveria ser feito. Se as pessoas estão assim na hora de ser sinceros uns com os outros, imagine como deve estar o relacionamento no dia a dia ou para se unir para atingir os objetivos da empresa!
      Enfim, espero que consiga contornar isso e melhorar o ambiente de trabalho cada vez mais. Não é fácil, mas com certeza vale a pena. Grande abraço!